terça-feira, 14 de outubro de 2014

thumbnail

Papa diz: o que vale é caridade concreta, não vida de aparência

Santo Padre destacou que a fé não precisa aparecer, mas ser operante na caridade
Da Redação, com Rádio Vaticano
A nossa vida é uma “vida cristã de cosmética, de aparência ou é uma vida cristã com a fé operante na caridade?”. Esse foi o questionamento do Papa Francisco, na homilia desta terça-feira, 14, na Casa Santa Marta. O Santo Padre destacou que a fé não é somente recitar o Creio, mas desprender-se da avidez e da cobiça para saber doar aos outros, especialmente aos pobres
A fé não tem necessidade de aparecer, mas de ser. Não tem necessidade de ser encoberta de cortesias, especialmente se hipócritas, mas de um coração capaz de amar de forma autêntica. O Papa se inspirou no Evangelho do dia – em que o fariseu se admira pelo fato de Jesus não lava as mãos, como prescrito, antes de comer – para repetir que Jesus “condena” esse tipo de segurança baseada no cumprimento da lei.
“Jesus condena essa ‘espiritualidade de maquiagem’, que parece boa, bonita, mas, na verdade, por dentro, é completamente outra coisa! Jesus condena as pessoas de boas maneiras, mas de más atitudes, aqueles comportamentos que não são vistos, mas feitos às escondidas. A aparência é correta; essas pessoas que gostavam de passear nas praças, para se fazer ver pregando, ‘maquiando-se’ com um pouco de fraqueza quando jejuavam. Por que o Senhor é assim? Vejam que são dois os adjetivos que Ele usa aqui, mas ligados entre si: avidez e maldade”.
“Sepulcros caiados”, dirá Jesus sobre eles no análogo trecho do Evangelho de Mateus, referindo-se a certos comportamentos por Ele definidos com dureza como imundícia, podridão. “Antes, dai esmola do que possuís”, é a sua contra-proposta. “A esmola sempre foi, na tradição da Bíblia, quer no Antigo como no Novo Testamento, uma pedra de medida de justiça”, disse o Papa. Também Paulo, na leitura do dia, discute com os Gálatas pelo mesmo motivo, o apego deles à lei. E idêntico é também o resultado, porque, conforme destacou o Pontífice, a Lei sozinha não salva.
“O que vale é a fé. Qual fé? A que ‘se torna operante por meio da caridade’. O mesmo discurso de Jesus ao fariseu, uma fé que não é somente recitar o Creio. Todos nós acreditamos no Pai, no Filho e no Espírito Santo, na vida eterna. Todos acreditamos! Mas essa é uma fé imóvel, não operante. O que vale em Cristo Jesus é a ação que vem da fé, ou melhor, a fé que se torna operante na caridade. Isso é, esmola, caridade. Esmola no sentido mais amplo da palavra: desprender-se da ditadura do dinheiro, da idolatria do dinheiro. Toda cobiça nos afasta de Jesus Cristo”.
O Papa Francisco recordou um episódio da vida do padre Arrupe, Prepósito Geral dos Jesuítas dos anos 60 aos 80. Um dia, uma rica senhora o convidou a ir a um local para doar-lhe dinheiro para a missão no Japão, pela qual o padre Arrupe estava trabalhando. A entrega do envelope ocorreu praticamente na porta, diante de jornalistas e fotógrafos. Padre Arrupe contou ter sofrido uma grande humilhação, mas aceitou o dinheiro “pelos pobres do Japão”. Quando abriu o envelope, havia dez dólares.
Diante do episódio, Francisco convidou cada um a pensar se tem uma vida cristã de aparência ou de fé operante na caridade. “Jesus nos aconselha isto: ‘Não toqueis a trombeta’. E nos fala daquela velhinha que deu tudo que tinha para viver. E louva aquela mulher por ter feito isso. E o fez um pouco escondida, talvez porque se envergonhava de não poder dar mais”.

Fonte CN

Subscribe by Email

Follow Updates Articles from This Blog via Email

Podemos rezar por você?

Poderosa Novena Maria Passa à Frente

Poderosa Novena Maria Passa à Frente
Poderosa Novena Maria Passa à Frente